Time to Pitch

Empreendedorismo

pitchboot-miguelg_640

O Pitch Bootcamp impulsiona jovens licenciados a posicionarem-se no mercado de trabalho e a conhecerem empresas extraordinárias! Em cada edição participam cerca de 140 jovens e 110 empresas das mais variadas dimensões e áreas de atuação. Daqui resultam postos de trabalho, reuniões, estágios e colaborações entre jovens e empresas. Fomos saber mais sobre esta iniciativa com Miguel Gonçalves, responsável pelo Pitch Bootcamp Portugal.

  1. Pode fazer um pitch do Pitch Bootcamp?

O Pitch Bootcmap é um acelerador de carreiras que aproxima jovens, empresas e universidades. Cada edição é um programa de dois dias que põe algumas das mais notáveis empresas em Portugal em contacto com universitários e com recém-diplomados focados em encontrar trabalho ou em compreender melhor como funciona o mundo empresarial.

Em cada edição participam cerca de 140 jovens e 110 empresas das mais variadas dimensões e áreas de atuação. No 1º dia os bootcampers trabalham no desenvolvimento e análise das suas competências e, no 2º dia, apresentam-se às empresas e exploram oportunidades de trabalho e crescimento.

 

  1. Em Portugal, temos jovens muito qualificados e com ótimas competências. De que forma o Pitch Bootcamp consegue ajudar os jovens a saberem como potenciar as suas “soft skills”?

O programa parte de uma premissa fundamental:

Jovens mais preparados tomam melhores decisões de carreira; Empresas mais informadas tornam-se mais inteligentes e captam melhor talento.

O trabalho que desenvolvemos com os bootcampers está estruturado em torno de 4 eixos:

Produto: Descreve e identifica as experiências, os ativos e as competências de uma pessoa.

Cliente: Identifica as empresas onde gostaria de gerar oportunidades, as funções que pode desempenhar nessas empresas e como recrutam diferentes empresas em função do seu tamanho, setor ou recursos disponíveis para o recrutamento;

Proposta de Valor: Surge da correspondência que existe entre as necessidades de uma determinada função e as competências de um determinado candidato. Desta correspondência, ou da sua ausência, resulta que um candidato tenha uma proposta de valor forte ou fraca.

Comunicação: Descreve a forma como uma pessoa pode concorrer pela atenção de uma empresa e apresentar junto desta a sua Proposta de Valor, mostrando-lhe quem é, o que faz, como o faz e por que motivo pensa ser adequado para uma função na organização em causa.

No limite, seguindo este framework, o Pitch Bootamp ajuda os participantes a fazer análises fundamentais ao mercado de trabalho, ajudando-os a compreender que competências desenvolveram, como podem segmentar e aprofundar conhecimento sobre os potenciais clientes e perceber como comunicar com eles.

 

  1. O Pitch Bootcamp é, sem dúvida, uma ponte fundamental entre os recém-licenciados e o mercado de trabalho. Acha que o Pitch Bootcamp veio revolucionar a maneira como os jovens portugueses se apresentam às empresas?

Quando começamos este programa em 2012 e a sua primeira versão (So You Think You Can Pitch) em 2011, recordo a imensa dificuldade que existia em explicar às pessoas o que era um pitch, um bootcamp… Se analisarmos o panorama atualmente, vemos que são termos amplamente disseminados em vários contextos. Penso que o programa é vulcânico e revolucionário, sobretudo, pelos resultados inacreditáveis que temos vindo a consolidar ao longo destas 41 edições com 5350 jovens e 2300 profissionais de 650 empresas – é inclusivamente estranho pensar na quantidade de pessoas que o programa envolveu até hoje.

O envolvimento da Fidelidade no Pitch Bootcamp nos últimos anos é uma das peças chave e que tem permitido consolidar o êxito e impacto que estamos a ter junto das academias e do mercado de trabalho em Portugal.

 

Quantos postos de trabalho já foram criados em virtude do Pitch Bootcamp?

Medimos resultados 3 vezes por ano, portanto, conseguimos ter uma ideia objetiva das oportunidades criadas: há 1250 jovens que começaram a trabalhar depois de participarem Pitch Bootcamp. Uma vez que muitos dos participantes (56%) são estudantes, há também várias centenas de jovens que encontraram no Pitch Bootcamp empresas com quem fazer teses de mestrado e estágios curriculares e/ou de verão.

 

miguel_01O Miguel Gonçalves é conhecido pelas suas palestras motivadoras. De que forma consegue fazer desta experiência um life changing para estes jovens e ajuda a gerir o talento de Portugal?

O Pitch Bootcamp é um programa disruptivo com resultados atípicos porque é conduzido por uma equipa muito focada e hiper talentosa…na Spark somos 11 pessoas e eu sou apenas uma das cinco pessoas que conduzem as 14 edições anuais do programa.

Parte da experiência é também transformativa porque em cada edição há 110 empresas formidáveis e profissionais muito seniores que, para além de recrutarem, partilham insights de carreira bastante valiosos com os jovens.

Penso, claramente, que o “mercado do talento” tem vindo a evoluir bastante nos últimos anos e muitas são as empresas com quem trabalhamos que já perceberam que investir com propósitos estratégicos na captação e retenção de talento é incontornável.

 

O Miguel considera o Pitch Bootcamp uma aposta ganha e um valor adquirido para o futuro?

Se analisarmos os resultados do programa e a quantidade de jovens e empresas que já estiveram envolvidos, penso claramente que está a ser uma aposta ganha, é singular o que já foi conseguido até hoje em apenas 3 anos. Entre 2013 e 2014, para além das edições em Portugal, realizamos também 4 edições em Barcelona, o que nos permitiu testar o framework noutra geografia. Ao longo dos últimos meses temos vindo a trabalhar na expressão internacional do programa e prevemos fazer 20 edições fora de Portugal no próximo ano.

MAIS ARTIGOS